Sunday, September 4, 2011

Planeta dos Macacos - A Origem

Neste sábado consegui ver o filme Planeta dos Macacos: A Origem, que explica como a Terra chegou à situação descrita no primeiro filme da série: um planeta sem humanos e dominado por símios inteligentes e falantes. Este meu comentário não será muito detalhado para evitar spoilers, além de que eu indico que vejam a produção.

A história começa com os experimentos do geneticista Will Rodman (James Franco), pesquisador que busca um tratamento para o Mal de Alzheimer. Will desenvolve um vírus que, quando testado em macacos, reverte danos cerebrais e até os torna mais inteligentes do que eram antes, porém a apresentação do produto a investidores é interrompida pela principal cobaia, enlouquecida com a tentativa de tirarem-na de sua gaiola – e assim o projeto é cancelado e os animais são sacrificados, exceto pelo filho Caesar, cria recém-nascida do animal morto (e o motivo para seu comportamento agressivo).

Para que o filhote seja salvo, o cientista leva Caesar para casa apenas para passar alguns dias e deixa-lo em algum abrigo, porém nota que, de alguma forma, o vírus experimental foi herdado e que o pequeno chimpanzé tem uma inteligência anormal. E assim ele insiste em sua pesquisa, agora clandestina e o macaco se desenvolve com o passar dos anos: tem seu quarto, resolve quebra-cabeças, interage com a família, porém se descontrola ao ver um vizinho atacar o pai de Will. Caesar ataca o agressor, persegue-o e o machuca gravemente, por isso é entregue a um abrigo público.

Caesar, arrependido de seu ataque, abraça seu "avô"

Neste local, apresentado ao pesquisador como um ambiente estimulante, Caesar é preso numa pequena gaiola, mal alimentado e mal tratado pelos funcionários do local. É também vítima dos seus colegas de cárcere, já que é diferente dos demais: anda com uma postura mais ereta e veste roupas humanas. Finalmente, a frustração de receber uma visita de Will e não voltar para casa faz com que o símio desista dum retorno, renegue sua ligação com os homens e inicie um motim com seus iguais.

Gostei muito de dois aspectos do filme e o fazem ser muito mais do que apenas uma obra de ficção. O primeiro é o conflito que vive Caesar, criado desde cedo como humano e dono duma capacidade intelectual muito maior do que a de outros macacos. Porém, ao voltar dum parque e ver que usa coleira da mesma forma que um cão, fica em dúvida e questiona Will sobre sua identidade, se é apenas um mascote ou não. Este tipo de dúvida, da criatura para o criador, lembra muito o livro em que o cientista Frankenstein cria um ser que reúne muitas características humanas, mas nunca chega a ser considerado mais do que um monstro. Frankenstein renega então sua obra, assim como Caesar acha que foi rejeitado quando Will o visita e não o leva de volta para casa.

O outro ingrediente foi a visão dum grupo oprimido e pressionado, porém rebelado apenas depois da chegada dum líder. Por mais insatisfeito que o resto da macacada estivesse com os maus tratos, criaram um ambiente em que estavam acomodados com uma espécie de sociedade já estabelecida. Quando Caesar se dispôs a organizar e treinar seus colegas, houve um levante para se libertar da opressão. É difícil ver tudo isto e não lembrar de episódios, alguns muito recentes, como as ondas de vandalismo em Londres, em Paris, parte do Norte da África e até eventos históricos, como a Revolução Francesa ou a explosão do Nazismo na Alemanha (com a assinatura do Tratado de Versalhes).

Caesar contém um funcionário do abrigo que o atacava com este bastão elétrico
Enfim, o filme é muito mais do que apenas uma obra de ficção ou efeitos especiais. Além de tudo que citei, há também boas cenas de ação e a emocionante interpretação de John Lithgow como o pai de Will e um portador de Alzheimer – esta circunstância leva o filho cientista a outros dilemas éticos decorrentes da sua profissão, mas é melhor que vejam o filme pois vale muito a pena.

1 comment:

  1. Cara muito bom o filme, a cena que voce comentou do animal de estimação é muito inteligente.

    E ainda acho que é possível hen ahahhaha

    ReplyDelete

comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...