Wednesday, December 5, 2012

Abstinência negada

Não faz muito tempo que contei em outro post sobre minha apostasia esportiva. Como deixei de acreditar que o tal do "futebol moderno" mercantilista pudesse ser derrotado, fiz como John Galt e abandonei este mundo por não mais concordar com ele e não querer mais ser seu cúmplice: deixei a Ponte Preta, devolvi meu cartão de Torcedor Camisa 10 (o programa de fidelidade do time), parei de frequentar o estádio e ler notícias sobre futebol. Se o futebol é produto, o consumidor insatisfeito aqui decidiu boicotá-lo. Fui cuidar da minha vida sem esquentar mais a cabeça com o novo topete do Neymar, as óbvias premiações individuais de fim de ano ou o vexame mais recente do Adriano.

Eu deixei de procurar o futebol, porém ele ainda continua a me seguir. Repeti tantas e tantas vezes que o Brasil não é o país do futebol pois o brasileiro médio não é muito chegado no esporte, tão pouco que ele reage com estranheza quando sabe que algum conhecido vai ao estádio num jogo de pouco apelo. Viajar para outro estado ou país para ver uma ou algumas partidas, então, é impensável para o mesmo cidadão que deixa de trabalhar para ver uma partida do Brasil na Copa. Porém, se o brasileiro ainda fica atrás do argentino, do inglês ou do italiano, pelo menos ele assiste seu número razoável de partidas e gosta de falar sobre futebol - e é aí que minha tentativa de isolamento falhou.

"Luiz, tem correspondência... MAS VIU O GOL DO FRED ONTEM?
Notei como futebol é uma forma interessante de se jogar conversa fora: é um assunto mais rico do que as variações climáticas e pode se desdobrar em vários tópicos, mesmo que a conversa gire por vários lugares-comuns. E o como acesso a informações e notícias do futebol é fácil, qualquer um pode falar a respeito disto: o porteiro rancoroso em sua torcida pelo rebaixamento bugrino, o colega de trabalho palestrino e seu luto preventivo, o gerente de segunda linha feliz com o título do seu Fluminense... Indo além dos conhecidos mais próximos, há o pessoal da academia, os vizinhos, vários conhecidos torcedores da Ponte e também de outros times que conheci através do Facebook e até desconhecidos que puxam papo numa fila de banco ("é do Inter essa camisa?", pergunta alguém que me vê com camisa do Independiente).

E aí surgiu a dificuldade que eu não esperava: eu não era o maior dos fanáticos e estava anos-luz atrás de alguns amigos, mas para eles e para os torcedores mais casuais eu era um cara "do futebol" e esse assunto era garantia de interação comigo, ainda mais por eu ser introspectivo e esta ser uma forma de me incluir nas conversas em que eu era apenas um observador. Como explicar que, da noite para o dia, eu já não acompanhava mais nada e sequer imaginava quais seriam as partidas da rodada seguinte? É fácil dar uma enganada e manter o diálogo mesmo com conhecimentos superficiais, porém acho que a maioria das pessoas nem percebeu meu abandono. Uma delas, porém, eu até prefiro que fique sem saber: meu pai.

Como já disse em outro post, não éramos tão chegados e fomos nos aproximando recentemente, em lentos e curtos passos. Refletindo agora, vejo que o futebol sempre foi a melhor forma de quebrarmos o gelo e continua sendo até hoje, nunca vou me esquecer do domingo em que ele ligou simplesmente para comentar que a vitória parcial da Portuguesa rebaixava o Palmeiras. E aí, quando ele ligar perguntando se eu vou querer ver com ele a final do Mundial desse ano, vou conseguir dizer que não vou pois não compactuo com o rumo atual do futebol e que decidi renegar qualquer forma de colaboração com o establishment? Não, evidente que não.

Não é escolha minha, mas seguirei de olho na bola, até porque é interessante acompanhar o futebol mesmo que seja apena para rir do lado ridículo da coisa. Não vou saber com precisão datas de jogos, posições na tabela e quem disputa o quê, principalmente com a bizarra regra de classificação que envolve Copa do Brasil e Sul-Americana. Apesar de não fazer muita questão, creio que ainda consigo manter as aparências perante os conhecidos por um bom tempo simplesmente me atualizando por osmose e respondendo obviedades em conversas.

O ânimo atual: ele é quase nulo

2 comments:

  1. Imagino seu sufoco. minha situação é um pouco diferente, mas tem no cerne um desconforto na interação sobre futebol.

    Por manter um blog de futebol ativo há 6 anos sou visto como um heavy user, especialmente agora que meu time está bom. Acontece que a questão reside não no fato de que eu não seja um heavy user propriamente dito, mas do fato que eu seja apenas para consumo próprio. Pela introspecção de um blog de 6 anos, cheguei em um nível de nerdice futebolera sobre o assunto compreensível apenas aos frequentadores do clubinho, o que causa-me uma sensação de estranho no ninho ao interpelar com os "casuais".

    Por isso, quando a conversa versa sobre futebol com quem não estou habituado a debater, faço o contrário do que fazia no passado: fico evasivo apelando para platitudes randômicas, nem sempre coerentes entre si e invariavelmente incoerentes com meu real pensamento.

    Imagino, por motivo distinto, você com a mesma despreocupação para defender um ponto de vista futebolero.

    ReplyDelete
  2. Sim, a sensação é parecida hehe Antes eu até passava por esta mesma situação, embora não tivesse toda essa bagagem e também não me esforçava muito para participar da conversa, apenas respondia com respostas vagas (as mesmas "platitudes randômicas" que vc citou, mesmo que isso resultasse num senso comum equivocado para que a conversa não se prolongasse tanto)

    Hoje interajo da mesma maneira, mas o motivo foi o que mudou: enquanto os jovens curiosos e felizes vão até seu destino, já virei aquele velho desanimado e pessimista que os encontra enquanto faz o caminho de volta

    ReplyDelete

comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...